O Caminho das Pedras e das Rasteiras

A Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro completou  50 anos em 2017. Na oportunidade do evento, uma jovem me perguntou, via e-mail, se  me disporia a falar sobre isso, em palestra formal, caso me pagassem a passagem e a estada (antes, com a mais carioca cara de pau, perguntou se não teria algum parente que me alojasse). Fiquei pensando no que diria nesse hipo­tético encontro, a que não me neguei, em absoluto, sabendo que não me convidariam.

Trabalhei na Eco de março de 1977 a outubro de 1991, quando me aposentei, com 36 anos de trabalho e 55 de idade. A razão que me levou à aposentadoria prematura – e à mudança para o Sul, onde iniciei novo capítulo de minha vida profissional, na Universidade Federal de Santa Cata­rina. – é uma das coisas que deveria explicar. E uma das razões que me levam, agora, a contar, por escrito, essa história.

Começarei por aí.

Um dia, soube que estava prestes a ser aberto concurso para Professor Titular em Técnica de Redação Jornalística, área em que eu, professor adjunto, era referência, com livros te­óricos e didáticos lidos e adotados em cursos de todo o país. “Que bom!”, pensei. E entrei na sala do diretor, Professor Muniz Sodré de Araújo Cabral: “Por favor, o formulário de inscrição para o concurso de titular”, pedi. “Depende. Se você for concorrer, o concurso não sai. A vaga é do Márcio”.

O Márcio citado era o Professor Márcio Tavares Amaral, que me dera aulas no mestrado,  excelente pesqui­sador, com vasta cultura, do Direito à Filosofia, certamente habilitado e merecedor da titulação –  mas não se destacava entre suas habilitações documentadas a redação jornalística.

[A Eco não admitia surpresas: os concursos para professores eram carimbados e expe­didos previamente com destinatário certo.]

Nesse dia, pedi a D. Vanda, uma das irmãs que cuidavam  das jaulas e do picadeiro do circo (a outra, D, Ercília), que juntasse os papéis para a contagem de meu tempo de serviço.

Não se passaram dois meses e uma ex-aluna me contactou, procurando por uma professora. Não estava no quadro das aulas programadas de graduação nem eu a conhecia. Indiquei a pós-gra­duação; lá, sim, havia o nome e a secretaria lhe deu o número do telefone. A repórter, que, na época, trabalhava na revista  Veja, voltou, dias depois, com a gravação da entrevista da professora, conce­dida em seu consultório de psicanalista. “A senhora trabalha na Eco?”, perguntava.. “Ah, sim”, era a resposta. “Dou mais ou menos uma aula por mês, numa disciplina, com mais cinco colegas”. “Mas como a senhora recebe o salário por tempo integral, com dedicação exclusiva?” “Ah, isso é burocracia. Me puseram lá como editora de uma revista que não vai sair, mesmo.”

A jovem não queria denegrir a escola em que estudara, mas me consultava so­bre o que poderia, eticamente, fazer. Eu lhe respondi: “Publique exatamente o que a professora dis­se”. Que ,mais poderia?

Saiu a matéria na revista. Convocado, participei, por ser coordenador do Jornalismo,  de uma reunião da congregação da Escola.  “Vamos processar a revista”, disse o primeiro tolo emproa­do, com a concordância dos demais. “Exigir da Reitoria que processe a publicação por in­sulto e calúnia”, completou o segundo. O terceiro tolo alfa, por acaso cliente dessa e de todos os psicanalistas conhecidos em um raio de muitos quilômetros, diagnosticou: “É certamente porque é mulher. O repórter tem problemas com a mãe …”. Ao que a quarta tola – na verdade, bastan­te esperta – , tomou a palavra, e proclamou: “Jornalista é isso mesmo. Gente safada, ignorante…”

Saí da sala: “Dona Vanda, os papéis daquela minha aposentadoria…”

A vida é aprendizado que não termina, e a Eco foi etapa importante na construção da consciência que tenho sobre a juventude, a escola, a universidade e a sociedade brasileiras. De em­presas privadas e da lógica que, nelas, impede tantas vezes o execício da competência conheci  antes, em meus vinte anos prévios de trabalho em jornais e revistas do Rio de Janeiro – período em que tentamos e fomos impedidos, uma geração de jovens jornalistas, de fazer do jornalismo no Brasil um serviço público decente.

 

Os anos de formação

Cresci no subúrbio do Rio de Janeiro (quer dizer: em lugar de gente pobre). Aprendi a ler, escrever e contar sozinho, de modo que, quando me levaram à escola, sem saber o que fazer comigo, matricularam-me na terceira série (porque não conhecia os algoritmos de multiplicação e divisão) e terminei a quarta (o “primário”) no mês em que fiz nove. A lei só permitia que seguisse adiante aos onze anos; por isso, repeti, em um suposto “curso de admissão”. Inadaptado, triste, engordei .

Foi quan­do houve a primeira eleição, depois do Estado Novo, em 1946. Papai vestiu seu único terno – ver­de, jaquetão, de abas trespassadas — , e me levou pela mão a um político que trocava votos por fa­vores em um sobrado da Rua Dias da Cruz, no Méier.

Minha propina foi o mandado de segurança que me permitiu, por liminar, fazer a prova de admissão ao Colégio Militar (do Exército) do Rio de Janeiro, estabelecimento tradicional (antes Imperial Colégio Militar) onde ingressei na quota, então existente, para filhos de civis. O mérito  do mandado foi denegado três anos depois (o processo corria à revelia), mas, àquela altura, o comandante, Jair Dantas Ribeiro (dos tenentes da década de 1920; depois Ministro da Guerra no Governo João Goulart) entendeu que eu tinha direito adquirido.

Fiz um curso maravilhoso, entre colegas mais velhos. Meus instrutores eram veteranos da Força Expedicionária Brasileira: ensinaram-me a montar e desmontar fuzis, mas que a pior coisa que pode acontecer a um povo é a guerra, que sem disciplina não há aprendizado e que um exército deve ser o povo em armas. Li em inglês, francês, espanhol; descobri a sintaxe clássica do português em Camões, que adorava e cujos poemas – sonetos, trechos de Os Lusíadas – tinha (alguns ainda tenho) de cor, entre outros (de Castro Alves e Olavo Bilac a Anvers: “Mon âme a son secret, ma vie a son mistère…”); palmilhei a literatura brasileira, de Gregório de Matos a Lima Barreto, de Machado de Assis  a José Lins do Rego; li o Manifesto Comunista de 1848 para responder a uma questão de prova do Professor Pedro Ribeiro (“Aponte, com base na literatura dada, a diferença entre socialismo utópico e socialismo ci­entífico”) e a Introdução à Antropologia Brasileira, de Artur Ramos, por encomenda de um major que ensinava geografia; cursei, em disciplinas separa­das, Álgebra, Aritmética, Trigonometria, Geometria Analítica – perspectiva, sombra, análise combi­natória, derivadas, cálculo diferencial, integrais…; soube da Guerra da Gália em Latim, contada pelo protagonista, Júlio César. Visitei a Filosofia: meu ponto de prova oral no último ano tratava do pes­simismo crítico, Spencer ,Schopenauer – e Nitzsche.

Enfim, um curriculo com  traços da melhor tradição iluminista. Parece mentira, não é?

Não foi difícil para mim,  por causa disso, anos depois – quando interrompi meu curso de medicina na  Universidade do Distrito Federal, UDF (depois Uerj),  para sustentar a família e pagar o tratamento final de meu Pai –, adaptar-me a um emprego em jornal, no Diário Carioca, levado pelo José Ramos Tinhorão, Lá, a partir da experiência de Danton Jobim e Pompeu de Souza no contato com a imprensa estrangeira durante a Segunda Guerra Mundial, implantava-se uma técnica de estruturação de texto (lead + do­cumentações) originária da crítica ao sensacionalismo americano do início do Século XX; a ela se agregavam traços de filosofia de linguagem oriundos do movimento modernista – Oswald de An­drade, Mário de Andrade e Graciliano Ramos, principalmente A leitura complementar de An Introduction to Journalism, de Frank Fraser Bond, e The Professional Journalist, de John Hohenberg  – e muita anotação, linha por linha, de textos de Graciliano, de Vidas Secas a Memórias do Cárcere – ajudaram-,me a me habilitar no ramo como especialista em texto noticioso.

Tinha contato desde sempre com o samba de terreiro e com o choro de quintal, no encontro suburbano dos que fugiam da guerra na Europa com os que vinham da escravidão trazendo o fascí­nio de seu ritmo e cultura sedutora. Topei com os  clássicos a partir da ambição estética inflada pelo curso de música no ginásio; apaixonei-me: o programa Concertos para a Juventude, no governo de Getúlio Vargas,  permitiu-me assistir deslumbrado – de graça, é claro – à dissecação, naipe por naipe, da Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky, em apresentação didática da Orquestra Sinfônica Bra­sileira, regida por Eleazar de Carvalho no porão de boa acústica em que funcionava o Teatro Rival, na Cinelândia; chorar comovido quando ouvi, pela primeira vez, as Bachinas no 5, de Heitor Villa Lobos; assistir à apresentação de óperas do Anel de Nibelungen por uma companhia alemã, na gale­ra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro;  e ver, por detrás da cortina de vidro tcheco, no 22o andar do Edifício de A Noite, os músicos da Orquestra Sinfônica da Rádio Nacional,  regida por Leo Peracchi, Ra­damés Gnatalli e regentes estrangeiros convidados, em concertos semanais  Quando os maestros se encontram.

Ainda menino, juntei dinheiro para comprar, na Suebra, uma importadora da Rua Senador Dantas, na Cinelândia, a Cantata pela Paz, de Prokofieff, empacotada em tecnologia nova na época, o long  playng: a gravadora, Vanguard, usava no selo, como logo, o desenho de dois tímbalos mas, nessa coleção, o trocou por um cavaleiro de Átila, porque começava a guerra fria.

Li a respeito livros que enterrei no quintal depois de 1964: textos de Marx, incompletas obras completas de Lenine e  de Stalin; A Revoluçao Permanente e A Revolução Traída, de Trotsky. Propaganda nazista editada em milhões de cópias de livros de pretensão científica (História da Criação Natural, de Ernest Hackel, por exermplo) e, através deles,  a origem da eugenia racista, na Inglaterra vitoriana, em Francis Galton, primo de Charles Darwin e inventor do darwinismo social. Li também sobre meu país: Os Sertões, de Euclydes da Cunha (que tia Sílvia me deu quando tinha 11 anos, em ortografia arcaica, tenho ainda), A Ilusão Americana, de Eduardo Prado; Formação Histórica do Brasil, de Pandiá Calógeras;  História da Guerra entre a  Tríplice Aliança e o Paraguai, de Augusto Tasso Fragoso; Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Jú­nior; Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freyre; Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda; A formação do povo brasileiro, de Afonso Arinos de Melo Franco; O Escândalo do Petróleo e do Ferro, de Monteiro Lobato;  Geografia da Fome e Geopolítica da Fome, de Josué de Castro; Os dois Brasis, de Jacques Lambert; Les Religions africaines au Brèsil, de Roger Bastide…

Na Faculdade de Medicina, porque pensei ser psiquiatra, li as Obras Completas de Sigmund Freud, em espanhol, e os Experimental Psychology and Other Essays, de Ivan Petrovitch Pavlov, edição de 1957 da Philosphical Library, de Nova York. Aprendi com esse sábio que a linguagem é a  forma de conhecimento diferencial e específica da espécie humana, com a qual se criaram a arte e a ciência – ideia seminal que consistiria a base de minha duradoura resistência à manipulação meca­nicista da opinião e dos desejos humanos.

Em 1962, conformado com a impossibilidade de prosseguir meu curso de medicina, tentei ingressar no curso de jornalismo que funcionava na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil. O currículo consistia  de técnicas básicas de indústria gráfica e produção de som, rudimentos de ciências sociais e estética literária moderna. Era o bastante para ameaçar o  sistema. Preocupado com o papel dos jornalistas na Revolução Cubano,  o centro ideológico que já então se implantara para controlar conglomerados de informação e entretenimento – desde Chateaubriand, no auge (pois, a um passo da decadência)  até Roberto Marinho, em ascensão — vigiava, atento. O diretor da faculdade, Eremildo Viana – um desses sujeitos medío­cres que se destacam nessas ocasiões pela ferocidade – impediu-me de prestar o vestibular porque trabalhava em Última Hora, jornal que apoiava o governo de João Goulart . Alegou um pro­blema burocrático com meu histórico escolar e chegou a haver atrito com o comandante do Colégio Militar,  que tomou a coisa em nível pessoal.

Em 1970, em desespero de causa, à falta no corpo docente de quem soubesse escrever notí­cias de jornal (havia greve de estudantes e o governo militar achava justa a reivindicação deles), convocaram-me para dar aulas no Curso de Comunicação Social, habilitação em Jor­nalismo, da Universidade Federal Fluminense. Entrei, embora sem graduação, por alguma janela de conveniência, como auxiliar de ensino, que era o início da carreira.

 

Outra história, a dos cursos de Comunicação

Comunicação é área teórica constituída tardiamente como ciência social aplicada, com a eleição de um corpus incoerente de práticas: cinema, mas não teatro; design, mas não arquitetura, urbanismo ou decoração;  publicidade e propaganda, mas não vendas e marketing; jornalismo, mas não ensaística etc.

Pretendeu circunscrever a produção de discursos sociais em uma cápsula, de modo a ocultar a natureza antidemocrática do marketing, fundado no princípio (de Edwin Bernays, o pai das rela­ções-públicas) de que um grupo de homens dispondo dos meios necessários pode fazer os demais de sua espécie agir a despeito e mesmo contra seus interesses objetivos; e,. ao mesmo tempo, conter o ímpeto crítico – quixotesco – que os jornalistas demonstraram, por exemplo, segundo a espiona­gem americana, por ocasião da revolução em Cuba.

Tratava-se, como revelou com acuidade o Relatório McBride (Um Mundo, Muitas Vozes) , da Unesco, em meados da década de 1970, de articular a mídia a serviço dos detentores do controle do sistema de informação (o produtor da informação), não de quem dele se utiliza (o consumidor). Nesse sentido, articula-se com a ênfase nos direitos, patentes e  na propriedade de bens culturais de utilidade pública essencial.

O elenco conceitual originário do currículo era espartano: modelos funcio­nalistas transplantadas da Teoria da Informação (do campo das telecomunicações); textos da Escola de Frankfurt, selecionados com malícia e desligados do contexto histórico em que se pro­duziram (a ascensão do nazismo na Alemanha e seu impacto sobre a tradição iluminista da cultura acadêmica europeia); a observação empírica dos produtos informativos (comunicação comparada) e de seus efeitos, desprovida, embora, do arsenal estatístico que informa a pesquisa de opinião e de mercados.

Estudos posteriores receberam aportes relevantes de Lógica e Pragmática, Semiologia, Análise do Discurso, Retórica, Psicologia Analítica etc.; tal fato reforçou-me, no entanto a convicção de que a comunicação humana pertence ao âmbito das linguagens, que se situa exatamente na divisa entre o sociocul­tural (a inserção no ambiente), e o psicológico-neural, o espelhamento subjetivo. Surgiram também, na pesquisa comportamental, obviedades: a  “teoria hipodérmica”, o agenda setting, o news making.  Mais consistente, a espiral do silêncio, de Noelle Newman, que se enquadra no conceito de Pragmática.

O ensino de Comunicação Social foi promovido, na década de 1960, no Brasil e na América Latina, por programas do governo norte-americano e por agentes ligados a seu meio acadêmico, como é o caso de Celso Kelly, autor do primeiro currículo mínimo, de 1968, que privilegiava o en­sino polivalente e apenas admitia a formação por habilitações.

A estruturação dos cursos previa quatro semestres de formação geral e a introdução do ensi­no técnico nos ciclos finais. As primeiras escolas foram constituídas com gente oriun­da de cursos de graduação em ciências sociais de orientação estruturalista. Foi quando se exigiu co­nhecimento técnico que ficou evidente o desvio conceitual de subordinar ofícios, práti­cas sociais existentes há muito, a áreas teóricas: no paradigma, medicina à biologia,  engenharias à matemática, direito a quê mesmo?

A esfera de poder, no entanto, estava instituída na Academia.

 

O caminho que me conduziu à Eco

Assisti, em 1962, como redator e editor, à formidável pressão econômica – dá-ou-desce irrecusável, do ponto de vista empresarial – que alinhou o Jornal do Brasil com a conspira­ção para o golpe de 1964. Dois anos depois, como redator-chefe de Última Hora, acompanhei o empastelamento das gráficas de São Paulo, Recife e Porto Alegre e presenciei a  invasão e deepredação da redação do Rio de Janeiro (os invasores não chegaram à oficina) em 1o de abril de 1964; avi agonizar o jornal, que era, em rede, o de maior circulação do país, e estngularem ou­tros, conservadores mas independentes, com longa história – o Correio da Manhã (que resistiu e chegou a eleger uma bancada, em 1966, de parlamentares – os federais, Hermano Alvs e Mário Moreira Alves –, logo cassados) e o Diário de Notícias, empresas grandes, com sedes monumentais.

Nos primeiros anos da década de 1970, essas empresas foram liquidadas; o JB atravessava o portal no qual se inscreve que, dali em diante, não há mais es­perança: entraria em longa decadência editorial. A montagem da Rede Globo com recursos públicos – e a entrega do monopólio virtual da mídia a Roberto Marinho, notório representante de interesses coloniais e da visão mais rea­cionária entre os publishers – convenceu-me a retirar meu time de campo: desaparecia a possibili­dade de fortalecimento da imprensa regional e o domínio real da mídia impressa transferia-se para a enriquecida província paulistana, onde, do ponto de vista dos controladores dos principiais veículos,  os horizontes se limitavam e limitam a poucos quilômetros de distância dos Jardins.

As estrepolias da linha dura e seu confronto com o governo Geisel travariam o único diálogo proveitoso, que seria entre a ala patriótica das forças armadas e o segmento pro­gressista da sociedade e cultura brasileiras.

Que oportunidade sobraria para um profissional como eu, que não me dispunha a lutar por poder e riqueza, nem a sacrificar suas convicções para isso?

Até então, as aulas de redação eram uma oportunidade deliciosa de transmitir conhecimento técnico e conversar com jovens sobre a realidade frustrante e as perspectivas de um jornalismo ca­paz de fazer circular o conhecimento, estimular as trocas entre as classes sociais e viabilizar avan­ços democráticos.

Tornar esse divertimento profissão era complicado mas, enfim, viável. Em 1973, prestei vestibular para a Faculdade de Letras e, em 1974, ingressei no curso de graduação. Escolhi a língua russa (Português-Russo) porque, na perspectiva da época, parecia a de mais provável internaciona­lização e me encantavam autores como Tolstoi, Pushkin, e Dostoievsky. Meu trabalho finalde curso foi a tradução de boa parte da novela Agosto, 1914, de Soljenitizin. (Infelizmene, por desuso, esqueci a língua).

Em 1976, matriculei-me no mestrado em Comunicação Social, área de Sistemas de Significação, da Eco-UFRJ, e comecei a cumprir os créditos, ao mesmo tempo que completava a graduação e lecionava no Instituto de Artes e Comunicação da Universidade Federal Fluminense.

Para cobrir parte da grande perda salarial – granhava bem como jornalista – cheguei a mi­nistrar 60 horas de aulas por semana, em faculdades públicas e particulares (Facha, Gama Filho, Estácio) e vendi em prestações um imóvel que adquirira, na Ilha do Governador, pensando implan­tar uma agência de serviços jornalísticos.

Em 1977, em vias de completar o curso de graduação em Letras, ingressei como professor na Escola de Comunicação da UFRJ, em mais uma violação da hierarquia acadêmica – pelo mesmo óbvio motivo de que não havia, lá, quem  entendesse desse negócio de escrever para jor­nal.

Meu mestrado na Eco foi programado, como todo o processo de transferência profissional a que me apliquei. Como não teria tempo de redigir a dissertação, produzi os trabalhos de cada disci­plina como capítulos, nos meses de férias: uma Introdução, resenha histórica e técnica, em Tecnolo­gia de Pesquisa; o corpo do trabalho – aplicação da gramática estruturalista da primeira fase de Noam Chomsky à descrição do texto jornalístico – em cursos ministrados pelo linguista e ex-diplomata Paulo Amélio do Nascimento Silva, o orientador (também seria, no meu doutorado); e a conclusão, sobre o conceito de verdade em Martin Heidegger, no curso oferecido por  um jovem e rico advogado, oriundo da Juventude Uni­versitária Católica e da Ação Popular, Márcio Tavares do Amaral. A produção final foi juntar tudo e entregar na Secretaria.

Um dos meus alunos, Francisco Sá, que trabalhava na Editora Vozes, de Petrópolis, pegou uma cópia da dissertação mandou imprimir e me forçou a assinar o contrato de publicação “para que ele não perdesse o emprego”. Participei de noite de autógrafos  em uma livraria de Ipanema e não pensei mais no assunto, até que, tempos depois, deparei com a resenha de uma tese produzida na USP contestando minha modesta pesquisa, seus pressupostos metodológicos e conclusões.

“Se perdem tempo contestando, deve valer alguma coisa”, pensei.

 

Esgrimando contra a má-fé

A Eco me ofereceu o caminho das pedras. As aulas de técnica de redação, de edi­ção, telejornalismo e outras que me atribuíram eram dadas com quadro-negro e giz. Nem uma máquina de escrever, nem uma câmara fotográfica.  Exigia-se imaginação e criatividade. A descul­pa, sempre, foi a falta de recursos, a “insensibilidade” de outrem. Havia restrição de recursos mas, pelo menos em algumas oportunidades, constatei que não era vertdade.

Numa delas, a UFRJ recebeu, da Receita Federal, apreendida na Alfândega, uma unidade para produção em televisão, com câmeras, gravadores portáteis,  iluminação e ilha de edição Beta de ¾ de polegada, Con­vocado pela Reitoria, participei de reunião em que se discutia a sorte do equipamento, reivindicado por jovens alunas de um curso de artes que não tinham ideia clara da serventia daquilo, mas gostari­am de descobrir., Falou, primeiro, uma delas. Depois, eu: disse que todos reclamavam da qualidade dos produtos de TV mas que nós, que deveríamos formar profissionais na area, não tínhamos equi­pamento algum. Para minha sorte, o próximo foi o decano do poderoso Centro Tecnológico, que discursou indignado sobre a importância dos laboratórios, no que foi secundado pelo orador seguinte, um médico representante ddo Centro de Biologia.

O equipamento veio para a Eco e o colocaram em um galpão em frente a entrada (na via com acesso pela Rua General Severiano): o teto estava em reforma, sem telhas. Corri à diretoria para avisar que ia chover e tudo se perderia. Havia uma reunião. A secretária levou o apelo, voltou e, de­pois de muita pressão, confessou: “Eles disseram que era para isso mesmo, para o senhor não ter poder”.

De outra feita, soube, por vendedores interessados, da existência de  verba que daria para a compra de PCs – aqueles antigos, com tela de fósforo verde – em número bastante para montar um  laboratório de redação e edição. O dinheiro foi aplicado na compra de um computador de maior porte, instalado não sei onde e que ninguém na escola jamais viu ou utilizou – exceto, talvez, um  sábio polivalente que rondava a Eco, suposto beneficiário da instalação. Franciscp Dória era engenheiro químico doutorado em Física, mem­bro da Academia Brasileira de Filosofia, da Academia Hispano-Belga de História, da Academia de Letras e Artes de Portugal e do Colégio Brasileiro de Genealogia;  sua produção acadêmica esta listada na Wikipedia.

Eu e a área de formação profissional a que me aplicava jamais foram prestigiados na Eco. Em certa ocasião, ainda no inícío da década de 1980, convidei o Sub-Secretário de Atividades Estratégicas do Conselho de Segurança Nacional a expor os possíveis desdobramentos no  desenvolvimento das mídias da Arpanet,  programa militar e integração em rede de computadores que então se estendera às universidades. Ele antecipou aos assombris alunos a viabilidade de se editar e veicular, em algum momento adiante, texto, som e imagem, parada ou em movimento: no auditório, embora convidados e alertados, não havia professores ou representantes da direção da Escola para se informar sobre a perspectiva que se abriria com a Internet.

Quando, em 1983, pedi redução da carga horária, como previsto em lei, para cursar doutora­do, a congregação da escola negou. Três testemunhas, duas delas funcionários, me contaram que o argumento dominante foi que, “para jornalista, mestrado estava de bom tamanho”.  Inscrevi-me  e cursei o doutorado assim mesmo na Faculdade de Letras da UFRJ, entre 1984 e 1986. Minha tese, – firmada na convicção de que os significados são, mais do que uma listagem, um sistema gnoseológico próprio –  buscou matrizes da representação sígnica nas teorias das Catástrofes, de René Thomm, que trata da projeção de descontinuidades em um sis­tema de controle; e dos Fractais, de Benoit Maldelbrot – ambas referidas ao mecanismo da percep­ção.

O que isso em que ver com o jornalismo? É simples; salvo a experiência sensória, a realida­de para os homens é uma construção simbólica que só pode ser desvelada pela ruptura dos concei­tos em que transitam os discursos convenientes. Questionar conceitos é tudo que não se permite ao jornalista, para quem “o mestrado é de bom tamanho”; portanto, tudo que vale a pena tentar.

Nos últimos anos em que trabalhei na Eco, obrigado a conformar-me com a posição subal­terna concedida ao jornalismo na agemda acadêmica, montei com o Professor Daniel Welman uma pequena empresa que empregava estudantes em projetos específicos na área: a cobertura de um congresso internacional de cinema em jornais impressos diários, a reforma de uma revista especializada em off-shore, a assessoria de entidades profissionais. Foi interessante para sentir como funcionaria uma escola de jornalismo de verdade.

 

A planície e a serra no hospício da Urca

Entrincheirados em seu castelo virtual numa das alas do velho hospício onde funciona a Es­cola, os dirigentes da Eco aplicaram sempre com sabedoria a arte do autoritarismo que finge não ser: jamais uma reivindicação de alunos foi rejeita­da, nenhuma foi plenamente atendida. A escola que, dentre tantos bons profissionais que de lá saí­ram notabiliza-se pela contracultura de um humorista mau aluno, sempre foi muito permissiva, exceto no essencial: negociava, postergava, cedia em qualquer tema acessório, esperava o fim do ano – quando tudo se desfaz nas festas do verão, entre Natal e Carnaval.

Ao tempo em que os teóricos exaltavam publicamente os programas de auditório do Chacrinha, a carnavalização e outros deivativos da época, a pós-graduação a Eco construiu uma realidade tão particular, tão exclusiva, que, consultando agora, não encontro dela registro relevante que tenha sobrevivido. Não me surpreende: por muitos anos, assinei uma resenha internacional de publicações sobre comunica­ção da editora Sage Journals. Li sumários de artigos sobre relações entre sexos (“gêneros”), etnias, comportamentos diferenciados; legislações nacionais, meio-ambiente — o mesmo que leria em qualquer vulgada do pensamento acadêmico globalizado. Nada que não se desmanchasse no ar.

Nos anos em que trabalhei na Eco, estudei, por  solicitação do Conselho de Segurança Nacional, as condições necessárias à montagem de uma rede de emissoras pú­blicas de televisão autossustentadas em regiões socio-econômicas-culturais homogêneas; com o Professor Ério Saboga, produzi e relatei pesquisa que abrangeu a expansão dos paraísos fiscais cri­ando as bases da futura globalização financeira, na gestão do presidente  Lyndon Johnson (que criou obstáculos a empréstimos de bancos americanos a estrangeiros), e a revolução do cerrado, promovida pelo Brasil durante os regimes militares, ampliando a frontei­ra agrícola e a ocupação territórial do Oeste (o texto foi incluído em meu livro Controle de Opinião Pública – A Verdade Conveniente, editado em 1998); ;  registrei a voga dos eufemismos na construção da linguagem politicamente correta e o conflito de ideias que marcou o processo de desmonte neoliberal que se intentava no Brasil.

Reportando-me ao então distante ano 2.000, escrevi:

 

Como será o ensino de comunicação no ano 2.000? E como será a comunicação? Per­sistiremos tentando inserir Comunicação entre as ciências, ou superaremos essa pers­pectiva para enfocar a questão da informação em outras dimensões?

Se o caminho da superação for o escolhido, a resposta envolverá a crítica radical das teo­rias que frequentam nossas escolas. Deveremos arguir que o conceito de massa em “comunicação de massa” nada mais é do que manto ideológico destinado a esconder as contradições de classe e de cultura; discutir até que ponto os textos adotados, de fundo linguístico ou sociológico, servem a essa ocultação, omitindo aspectos relevantes da se­mântica das mensagens; e investigar em que medida as análises acadêmicas dos siste­mas de informação pública expressam mero ressentimento de intelectuais, inconforma­dos com a aplicação do modo de produção industrial ao discurso dos media.

Na mesma hipótese, teremos que superar a confusão entre sujeitos e instrumentos de dominação, tão comum nos estudos da Escola de Frankfurt. Neste sentido, será interes­sante observar que o Poder obteve êxito na imposição de crenças e valores a grandes populações muito antes de existirem os modernos meios de comunicação de massa – por exemplo, nas cruzadas, na caça às bruxas, na negação de que os negros africanos ti­vessem alma ou na qualificação de selvagens aplicada às civilizações inca, maia e aste­ca.

Se as circunstâncias do ano 2000 nos permitirem considerar a informação como bem cultural, nossos alunos não mais acharão surpreendente a constatação de que informa­ções são hoje mais abundantes do que em qualquer outra época e circulam com maior velocidade: isto ocorre com os bens de toda natureza na sociedade industrial. Nela, o mercado é guloso, veloz e abrangente: determina não apenas o desfecho das novelas de televisão ou o conteúdo dos magazines, mas também o currículo das escolas e as refle­xões dos mestres. Assim, há demanda por Nietzsche e já não se procura por Marx; te­mos tantos magos quanto tínhamos revolucionários.

 

Jamais me pediram que participasse da pós-graduação da Eco, nem jamais pretendi fazê-lo; sabia que meus assuntos não cabiam nas preocupações deles.. Orientei em nível de mestrado, alunos que me procuraram. Não pude participar da banca de um de­les, Elias Machado Gonçalves, da Universidade Federal da Bahia, hoje, doutor, na UFSC;  Elias entre­gou a tese ao tempo em que me aposentava e a comissão julgadora foi instituída quando já estava no Sul. A escola se recusou a custear minha passagem.

Em 2003, já perto de me aposentar, dirigi (por alguns meses, a convite de um velho amigo, que se fez ministro, Roberto Amaral) o Instituto Brasileiro de Informação, Ciência e Tecnologia; lá esbarrei em mais uma armação confusa dos sábios da Eco.

Quando o IBICT se transferiu para Brasília, houve forte pressão para que o curso de pós-graduação em Ciências da Informação ficasse no Rio de Janeiro e a fórmula para isso foi um con­vênio pelo qual a Escola de Comunicação da UFRJ validava os diplomas.

Como a Eco rompera esse acordo, o curso não mais admitia alunos e estava sendo desativa­do, com os professores sem ter o que fazer. Tentei inútil contato com a escola e dei o pulo do gato: firmei convênio com a Universidade Federal Fluminense para que o curso retomasse a atividade.

A reflexão final é sobre o papel da presunção de intenções que os homens sustentam, uns com relação aos ou­tros – as implicaturas – tema amplamente explorado na Pragmática, a partir de Paul Grice (por exemplo, em Sperber & Wilson). No meu caso, acho que as pessoas jamais entenderam que eu não estava competindo com elas, nem pretendia algo que não tivesse alcançado no âmbito do sucesso que tanto valorizam.

 

Em Santa Catarina

Trabalhava, ainda, na UFRJ quando dois professores do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina, Eduardo Meditsch e Luiz Alberto Scotto de Almeida, convidaram-me para um congresso em Florianópolis e me apresentaram o livro O segredo da Pirâmide, uma teoria marxista do jornalismo (1987) , de Adelmo Genro Filho. Era o que nos unia: o autor, um jovem pesquisador que faleceu com 26 anos, meses após a publicação, coloca o objeto dos relatos jornalísticos na categoria do singular em Hegel, distinguindo-o da temática particular dos textos analíticos que buscam essências da realidade. Na construção de seus argumentos, usa amplamente a descrição que propus em Ideologia e Técnica da Notícia, de 1979.

No início da década de 1990, convidaram-me a participar do concurso para Professor Titular. Assumi o cargo em abril de 1992 para a etapa derradeira de minha vida profissional. Financeiramente, excelente negócio: pude, como previa a lei para professores, acumular os dois salários enquanto estive em atividade.

Também houve avanço em nível cultural e humano.  A UFSC proporcionou-me ambiente diferente: uma universidade menos pretensiosa, com campus concentrado e, no curso de jornalismo, um núcleo interessado em associar conhecimento teórico e habilitação profissional. Estranho ao jornalismo local, tive, de imediato, um só prejuízo: até então acompanhando a revolução tecnológico na área, perdi contato com a prática das inovações introduzidas na apuração, produção e edição de produtos midiáticos. Fazendo o que esperavam de mim, concentrei-me em temas teóricos e na organização de um curso atuante e com presença nacional.

Conseguimos isso: pelo esforço, principalmente, de uma equipe jovem e motivada, assumimos  posição de destaque no meio acadêmico que permitiu creditar o curso e o departamento como referência; equipá-lo como, até então, nenhum outro com recursos tecnológicos; trocar seu nome de “Comunicação” para “Jornalismo”; e, adiante, quando eu já me aposentava, criar o primeiro curso de pós-graduação específico no Brasil.

Comunicação, no entanto, continuou cumprindo a função de reprodução ideológica, o que criava problemas até mesmo para a contratação de novos professores com foco no projeto departamental.

Nos últimos anos de atividade – aposentei-me em 2016, por exigência legal – trabalhei nos programas de pós-graduação em Linguística, Engenharia de Produção e Engenharia de Gestão do Conhecimento. Foi uma experiência fascinante que, lamentavelmente, não pude prolongar.

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *